IMG_5037
Comer bem, Viajando sozinha

Sobremesas ou como eu aprendi a amar avelãs

Eu contei no post anterior como comer na Itália mudou a minha concepção sobre comida. Agora vamos falar um pouco sobre as sobremesas italianas. A minha maior expectativa recaía sobre os gelatos, o sorvete italiano, que é mais do que uma sobremesa, afinal, pode ser consumido em qualquer momento (foi, inclusive, o almoço em algum dia dessa viagem :P). O grande problema do gelato era o frio, apesar de o tempo não estar congelante, tomar um sorvete quando faz 5 graus não deixa de ser uma quebra de tabu, né? (com direito à voz da sua mãe dizendo “vai gripaaar”). No primeiro dia em Milão, não encarei, mas ao chegar em Florença, havia tantas gelaterias e as pessoas simplesmente tomavam sorvete no frio, no vento, na chuva, que eu decidi não esperar mais. Sim, fez jus à fama. Adorei e tomei todos os dias, apenas tive cuidado para selecionar as marcas tradicionais e não correr o risco de estar tomando um sorvete qualquer, afinal, se era para ganhar uns centímetros no quadril, que fosse com sorvete de qualidade!

O sorvete da Gelateria Dondoli

O sorvete da Gelateria Dondoli

A marca que mais gostei foi a Grom (com destaque para o sorvete de torrone) e a Gelateria Dondoli. A Grom é super fácil de achar em Milão, Veneza e em várias cidades da Toscana (acredito que na Itália como um todo), já a Gelateria Dondoli é um pouco mais exclusiva, fica na Piazza della Cisterna em San Gimignano e já ganhou uma série de prêmios internacionais. Outra marca excelente é a Amorino, famosa pelos sorvetes esculpidos em formato de rosas, cujo sorvete pode ser saboreado não apenas na Itália, mas em outros países europeus, como França e Portugal.

O Panforte é uma sobremesa típica da Toscana, feita de nozes, frutas cristalizadas, amêndoas, farinha e açúcar e mais açúcar. Pode ser consumida com café ou vinho santo (é um vinho doce de sobremesa) depois da refeição. Outra sobremesa que é servida com o vinho santo é o cantucci, um biscoito duro feito de amêndoa, mas esse não sobrou espaço no estômago para testar. O panforte é saboroso, mas com sabor bastante doce e acentuado, a depender do sabor escolhido. Mas é fato que é uma sobremesa muito bonita, daquelas que faz você parar na frente da confeitaria para admirar.

Outro doce maravilhoso bastante conhecido entre nós é o torrone. Assim, como o panforte, também me fazia ficar babando nas vitrines das confeitarias. Confesso que a primeira vez que experimentei o torrone “de verdade” fiquei decepcionada, aliás, mais do que decepcionada, quase fiquei sem dentes. É que a variedade que eu escolhi era muuito dura e eu não estava contando com isso. Daí desencanei, pensei que não estava precisando ficar sem dentes em Veneza sozinha e não comprei mais torrone. Até que no último dia passei super rápido no Eataly em Milão para fazer umas comprinhas gastronômicas (leia-se, prolongar a gordice para mais um semestre em casa) e e peguei dois torrones que pareciam mais molinhos. Gente, pra que? Podia ter ido embora sem saber o tanto que o torrone molinho era bom, chocolate com avelãs, imagina só o sofrimento de não ter trazido um monte. O bolso agradece porque não era um doce barato, em torno de 8 euros.

Tiramisu 

Meu último e mais caprichado tiramisu na Rossopomodoro no aeroporto em Milão

Meu último e mais caprichado tiramisu na Rossopomodoro no aeroporto em Milão

Segundo as minhas pesquisas na internet, a origem do Tiramisu na Itália é controversa, mas ele encontra-se disseminado por todo o país para a alegria de todos. O doce é feito de camadas de biscoito savoiardi molhados no café, intercaladas por um creme feito com queijo mascarpone e, ao final, polvilhado com chocolate amargo. Estava com bastante expectativa para provar o tiramisu legítimo, já que havia provado o doce algumas vezes aqui, mas sabia que seria diferente. Na verdade, sendo um doce bastante difundido por toda a Itália, tive a sensação de que cada Tiramisu que eu provei foi diferente. É claro que a essência era a mesma, mas a forma de servir, mais ou menos café, chocolate extra como cobertura, formato, enfim, cada restaurante dá a sua cara. No meu primeiro dia em Veneza, quando ainda estava perdida, deparei com uma fábrica de tiramisu e decidi entrar para me localizar e provar um. Havia o tiramisu clássico e outras versões com gianduia ou pistache. Provei o de Pistache e passei a achar que todo tiramisu devia era mesmo vir com pistache.

Trufas na feira de chocolates em Siena

Trufas na feira de chocolates em Siena

E não poderia deixar de falar do chocolate! É claro que o chocolate não é algo típico da Itália. Na verdade, quando eu penso em chocolate sempre me vem à mente Suíça ou Bélgica, então meu estômago não estava com grandes expectativas sobre o chocolate italiano. Foi uma grata surpresa, não sobrou espaço para comer chocolate puro, mas ele está em todo lugar, nos sorvetes, no tiramisu, nos biscoitos, nas pastas de chocolate para passar em torradas, pães. Em Siena encontrei uma feira de chocolate, uma verdadeira loucura, cerca de dez barraquinhas com chocolates artesanais em barras, dos mais variados tipos, pastas de chocolate, chocolate quente, trufas, fondue e tudo mais que você puder imaginar que possa ser feito com chocolate. Era tudo tão bonito e tão cheiroso que eu simplesmente não consegui comprar nenhum. Talvez porque não pudesse escolher entre tanta variedade. Ou porque tinha comido horrores no almoço. O fato é que apreciar visualmente foi suficiente.

Bom, sobre os docinhos, a última coisa que eu tenho a declarar é que eu era uma pessoa feliz não gostando de Nutella. Na verdade, para mim Nutella era apenas chocolate, meio que ignorava a existência das avelãs nesse processo. Sei lá, avelã é algo tão distante, nunca vi uma ao vivo no supermercado. Até que depois de passar 10 dias comendo Nutella no café da manhã, sorvete de Nutella, gianduia, torrone de chocolate com avelã, eis que agora essa combinação chocolate +avelã me parece a melhor coisa que já inventaram no mundo. E como explicar para o meu estômago que ele vai ter que se contentar com alfarroba recheada com banana daqui pra frente?

Informações úteis 

Gelateria Grom 

Via del Campanile angolo via delle Oche – Florença

Gelateria Amorino

Alzaia Naviglio Grande, 24 – Milão

Gelateria Di Dondoli

Piazza della Cisterna, 4 – San Gimignano

Eataly

Piazza XXV Aprile, 10 – Milão

Previous Post Next Post

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply