Roteiros, Viajando sozinha

Seul: meu primeiro destino asiático

Seul foi o primeiro lugar no continente asiático que eu pus os pés. Isso, por si só, já é suficiente para dar uma ideia da minha empolgação e encantamento ao conhecer a cidade, a todo tempo ficava “me beliscando” para lembrar que estava na Ásia.

Processed with VSCO with c3 preset

Passei três dias na cidade, mas poderia facilmente ter ficado mais, não só em Seul, mas em outras regiões do país. A Coréia tem várias outras cidades e atrações naturais que merecem ser visitadas e, nesse curto período, fiquei com a sensação de que, nós, brasileiros, ainda não descobrimos quanta coisa bonita tem para ver por lá. A infraestrutura turística é impecável, foi muito fácil se locomover por toda a cidade usando metrô, que tem todas as sinalizações com tradução em inglês.

Processed with VSCO with c1 preset

A organização das ruas é um tanto complexa, mas o google maps tá aí pra isso, né? Muitos estabelecimentos possuem wi-fi, mas é possível também comprar um simcard ou alugar um wi-fi portátil no aeroporto para ter internet ao longo da viagem. Como ia ficar apenas 3 dias, eu decidi me virar com o wi-fi público e foi super tranquilo.

O clichê de que o país combina modernidade com tradição é apropriado. Em meio aos arranha-céus, a cidade conserva construções com grande importância histórica, como os 5 palácios de Seul (Changgyeong, Gyeongbokgung, Changdeokgung, Deoksugung e Gyeonghuigung), muralhas e templos.

Processed with VSCO with c1 preset

Além dos palácios e templos, outro lugar que te faz voltar no tempo em Seul é o Bukchon Hanok Village, um bairro que preserva centenas de casas coreanas tradicionais – as hanok. Apesar de parecer cenográfico, o Hanok Village é também um bairro residencial, existem até alguns monitores pelas ruas tentando impedir as hordas de turistas de fazer muito barulho pelas ruas. Nem preciso dizer que não dá muito certo, né?

IMG_0680

O Hanok Village fica próximo dos palácios Gyeongbokgung e Changdeokgung, então uma boa pedida é combinar esses três lugares num dia só.

Processed with VSCO with c1 preset

Ao lado do Hanok Village, fica Samcheong-dong, um bairro jovem e super descolado, cheio de restaurantes, cafés e lojinhas de moda e design.

Processed with VSCO with c1 preset

Eu pesquisei diversas opções de hospedagem, desde os hotéis internacionais nos bairros mais turistões até as pousadas tradicionais coreanas em Hanok Village. Acabei optando ficar em em Hongdae, porque queria ficar em uma região menos séria e empresarial, um lugar que tivesse opções para bater perna à noite. Hongdae abriga a Universidade de artes de Hongik e tem uma atmosfera bastante jovem, com muitas opções de restaurantes, cafés, bares e comércio popular voltado para estudantes (leia-se, mais barato). O bairro não é central, mas o metrô de Seul é bastante capilar e eficiente, então foi bem fácil chegar aos pontos turísticos. A vantagem, por outro lado, é que tanto o aeroporto de Gimpo como o de Incheon estão muito próximos de Hongdae.

IMG_0517

Nas próximas semanas vou postar algumas dicas do que fazer na cidade. Aguardem 🙂

 

 

Previous Post Next Post

You Might Also Like

4 Comments

  • Reply Nathália May 11, 2017 at 1:25 pm

    Ansiosa pelos próximos posts. As fotos ficaram lindíssimas !

    • Reply Carla May 13, 2017 at 10:39 pm

      É tudo muito colorido, né?

  • Reply Ver´s – Garden Cafe em Seul – Dear World, May 28, 2017 at 10:33 pm

    […] lista de lugares legais para comer em Seul era interminável, mas quando eu cheguei em Hongdae, o bairro onde me hospedei, encontrei tantos restaurantes e cafés interessantes, que nem lembrei mais o que tinha […]

  • Reply Mercados em Seul: a minha experiência no Gwangjang – Dear World, June 5, 2017 at 11:38 pm

    […] eu já contei para vocês, a minha estada em Seul foi bem curta – apenas 3 dias – então tive que eleger apenas um mercado e […]

  • Leave a Reply